Neste artigo o neurologista André Felicio, professor de neurologia da Faculdade Ipemed, explica que a paralisia cerebral tem origem em “alguma coisa que deu errado durante o nascimento do bebê”. As principais causas, segundo ele, são a falta de oxigênio ou quando o cordão umbilical provoca asfixia. Nesse caso, há o comprometimento motor da criança (incapacidade de se locomover e de realizar a maioria dos movimentos físicos) e, algumas vezes, cognitivo (como a fala e a escrita).

Para o neurologista André Felicio, iniciativas como o App Marina podem facilitar a vida. “A pessoa pode expor aquilo que pensa e sente a todos com quem convive. Além disso, o aplicativo vai favorecer a interação entre o médico e paciente, oferecendo um diálogo importante para acompanhamento na hora do tratamento”, garante.

Link da Matéria: http://www.otempo.com.br/interessa/aluna-com-paralisia-inspira-app-que-facilita-comunicação-1.1491280